O aumento da demanda na produção de alimentos, devido ao crescimento da população mundial, levou a agricultura ao processo de Revolução Verde (1960) que transformou as áreas cultiváveis prioritariamente em monoculturas e deu início à utilização de fertilizantes e inseticidas sintéticos.  Com o passar dos anos e aumento da tecnologia, a agricultura moderna passou a utilizar outras ferramentas: sementes com maior potencial genético, variedades resistentes às pragas e herbicidas, controle biológico de pragas e métodos de cultivo mais eficientes. Todas essas ferramentas promoveram a expansão e manutenção da produção de alimentos no mundo, os inseticidas são utilizados na agricultura até hoje.

Qual a relação entre inseticidas e produtividade?

A utilização de defensivos químicos, como os inseticidas, ocorre para que haja a manutenção e o aumento da produtividade nas lavouras. Visto que os inseticidas atuam através de diferentes mecanismos de ação para o impedir o ciclo de vida dos insetos maléficos à cultura. A cultura da soja, por exemplo, está sujeita a ataques de insetos desde sua germinação até a colheita. Dessa forma, essa cultura vê nos inseticidas a solução para o controle de suas principais pragas, lagartas e percevejos, e, consequentemente, a garantia de uma boa produtividade.

A aplicação correta do inseticida pode reduzir o custo de produção e evitar prejuízos financeiros. Mesmo que o produtor já esteja obtendo lucro com a produção, é possível que correções na aplicação do inseticida deixe a margem de lucro ainda maior. Alguns cuidados básicos devem ser observados nessa prática.

Como evitar prejuízos financeiros no uso de inseticidas?

Para a aplicação do inseticida, deve-se utilizar produtos que contêm o princípio ativo ideal à praga em questão e o produto químico deve ser um que esteja registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Além disso, a aplicação ideal depende da leitura da bula, que é fundamental para a aplicação das dosagens recomendadas e evitar o desperdício do produto.

O planejamento da aplicação deve respeitar as condições climáticas, já que a aplicação de defensivos contra o vento, em ameaças de chuvas ou sob plantas estressadas, colocam a eficiência do tratamento em risco.  O vento leva o produto para áreas vizinhas e as águas da chuva lavam o produto das plantas, impedindo sua absorção. Enquanto os fatores de estresse, como temperaturas extremas, dificultam a absorção da moléculas pela planta, havendo mínimo ou nula absorção do inseticida. 

Os instrumentos utilizados na aplicação do produto influenciam se a mesma será efetiva, dessa forma, os equipamentos necessitam de precisão em sua regulagem, como número e tamanho das gotas, pressão dos bicos, tamanho de calda e diluição do inseticida. O pulverizador também deve estar bem calibrado para distribua quantidades uniformes de produto. Todas essas recomendações podem ser feitas com o auxílio de um engenheiro agrônomo.

A aplicação incorreta dos inseticidas provoca maior resistência dos insetos aos inseticidas existentes no mercado. Infelismente, ainda há o uso indiscriminado desses produtos, porém essa prática garante maiores prejuízos financeiros ao produtor. O aumento no número de aplicações incorretas faz com que o produtor dispenda mais dinheiro e desperdice produto, se tornando uma prática insustentável economicante e ambientalmente, reduzindo a margem de lucro que pode ser obtida com a aplicação correta do inseticida em sua produção. 

Escrito por Vanessa Taconha

Continue lendo nossos conteúdos

produtividade morango
Como nós implementamos nossa cultura organizacional