Por que plantar eucalipto?

Com a crescente pressão para a sustentabilidade, o eucalipto torna-se uma alternativa rentável para os produtores que se desafiam na área de cultivos florestais. Com ganhos variando de R$ 1.500,00 a R$ 4.000,00 hectare ao ano, a cultura se tornou importante para os produtores e tem grandes perspectivas no cenário nacional. A silvicultura paulista é 2° no ranking nacional, e segundo o IPEA, possui pouco mais de 1,3 milhão de hectares, sendo a terceira atividade em ocupação de área no Estado de São Paulo, com destaque principalmente para as regiões do centro e do Vale do Paraíba.

A escolha desse cultivo é decorrente da diversidade de mercados para os diversos produtos e subprodutos da cultura, como:

  • a exploração da madeira;
  • exploração da celulose;
  • óleos essenciais;
  • carvão;
  • lenha;
  • consórcio com outras culturas, entre outros.

Sistema Agroflorestal

Nesse sentido de consórcio, surgiu o termo SAF (Sistema Agroflorestal), que tem como principais objetivos: restaurar florestas, recuperar áreas degradadas, aumentar a produtividade e rentabilidade em pequenas propriedades. Esse tipo de produção apresenta melhor aproveitamento do espaço e tempo.

Enquanto a cultura florestal é perene e demanda anos para agregar qualidade, volume e valor ao seu produto, a cultura não perene consorciada a ela pode produzir em menor tempo e com maior frequência, gerando não só uma maior rotatividade de caixa mas também um maior volume de produção, quando comparado a um cultivo convencional florestal. Abaixo seguem algumas vantagens e desvantagens do SAF:

Vantagens

  • Vantagens biológicas, físicas e ambientais: controle da erosão do solo, aumento da produtividade, redução de variáveis microclimáticas, redução do risco de perda de produção, uso de sombreamento.
  • Vantagens Econômicas e Sociais: aumento da renda do produtor rural, maior variedade de produtos, redução de riscos de insucesso, redução dos custos de plantio, melhoria na distribuição de mão-de-obra rural, redução das necessidades de capinas.

Desvantagens

  • aumento na competição entre os componentes vegetais, potencial para perda de nutrientes, danos mecânicos durante a colheita, danos promovidos pelo componente animal, alelopatia, habitat ou hospedeiros para pragas e doenças, dificuldade no planejamento (necessidade de conhecimento técnico).

Por outro lado, muitos dos pontos negativos podem ser evitados com a implantação correta dos componentes do sistema e com a devida orientação de profissionais.

Por isso, há necessidade de analisar os aspectos técnicos mais importantes, antes de se decidir sobre investir ou não no plantio de eucalipto, sendo eles:

  • clima;
  • solo;
  • dimensão da área;
  • sistema de cultivo;
  • principal finalidade de uso;
  • sistema de colheita; dentre outros.

Como mencionado no início, as perspectivas são boas para o futuro, uma vez que ​a expansão das florestas plantadas e a restauração de áreas degradadas têm potencial de contribuir direta e indiretamente com a redução do desmatamento ilegal, ao mesmo tempo em que aumenta os estoques de carbono, que inclusive é pauta atual de discussões nacionais e mundiais.

Por isso é cada vez mais necessário o desenvolvimento de conhecimento e pesquisas para que se tenha maior produção em menor área, uma vez que ocorre atualmente uma competição de espaço entre agricultura, floresta e pecuária, além da pressão da sociedade por um desenvolvimento mais “consciente”, preocupado com as gerações presentes e futuras.

Se interessou pelo conteúdo? Entre em contato com a Esalq Júnior Consultoria por ​aqui​.

Luiza Pecci Canisares
Matheus Rebouças Pupo
Victoria Adorno Macedo Pacheco